Periodista Paulo Bastos
El ingeniero Paulo Bastos visita frecuentemente distintas unidades militares del Brasil, donde ha tenido la oportunidad de conocer de primera mano -y en algunos casos probar por si mismo- diferentes armas y sistemas.

www.fuerzasmilitares.org (14AGO2016).- Paulo Bastos es un reconocido periodista y escritor brasilero, orientado a la seguridad y la defensa. Se formó como ingeniero de automatización y está especializado en robótica, sin embargo reparte su tiempo entre su trabajo en una empresa de logística y la investigación y producción periodística. Publica sus trabajos en prestigiosas revistas brasileras, y de otros países del mundo, incluyendo Estados Unidos e Inglaterra. Reconociendo sus grandes méritos en el sector, hemos querido consultarle su opinión sobre el proceso de paz que actualmente se adelanta en Colombia.

¿Por qué decidió ser periodista, qué lo motivó?

Sou engenheiro de automação, com especialização em robótica, porem atualmente trabalho possuo uma empresa de logística. Há cerca de 30 anos possuo interesses por temas militares, inicialmente através publicações especializadas e livros, porem, posteriormente, através da internet, pude entrar em contatos com diversas pessoas que comungavam os mesmos interesses que os meus e, de repente, sem nenhum planejamento, eu já estava interagindo e trocando informações  com as pessoas a pouco antes eu apenas lia, passar a escrever foi um passo muito tranquilo e natural.

¿Para qué medios escribe?

Regularmente apenas para as revistas Tecnologia & Defesa e T&D Segurança, do Brasil, mas possuo trabalhos nas revistas Asas, Hobby News e Verde Oliva, do Brasil (a ultima é a publicação oficial do Exército Brasileiro), Revista Aérea (edição em espanhol), dos EUA,  Military Machines International, do Reino Unido, e outros.

Também tenho artigos em muitas mídias virtuais, sendo as principais a DefesaNet, Agencia Brasil Defesa e no portal do Centro de Pesquisas Estratégicas da Universidade Federal de Juiz de Fora.

¿Ha recibido reconocimientos o premios por su labor periodística?

Reconhecimento apenas pelas pessoas ligadas ao setor, Infelizmente parece que o tema Defesa não é muito valorizado no Brasil.

¿Cuál es la anécdota que más recuerda de sus viajes de trabajo?

Minha primeira viagem internacional ligada a militaria foi à França, a convite de um consorcio de empresas francesas e do governo francês, para conhecer o seu sistema de controle e monitoramento de trafego naval. Nessa viagem, tive a oportunidade de conhecer o Centre d'Opérations Maritimes de la Marine Nationale, em Brest,  e acompanhar todo fluxo naval no Atlantico francês.

¿A qué se dedica actualmente en el terreno profesional?

Minha área de atuação é história militar latinoamerica a partir do século 20, mais específicamente a área de forças motomecanizadas, mas prefiro a área de blindados.

Háblenos de los libros que ha escrito.

Em setembro de 2008 foi publicado o libro O M4 Sherman no Brasil pela C&R Editora, que escrevi em conjunto com Hélio Higuchi. Esse libro foi o resultado de 3 anos de pesquisas visitando quarteis em, pelo menos, 4 Estados brasileiros e entrevistando cerca de 20 pessoas.

Em dezembro de 2015 foi publicado o libro Stuart no Brasil, um projeto muito mais ambicioso, debido a importancia que ese blindado teve na construção da industria bélica no Brasil. Ele foi publicado pela T&D Editorial, em coautoría com Helio Higuchi e Reginaldo Bacchi. Esse libro demorou mais de 6 anos de pesquisa, com acesso a informações oficiais de muitas organizações militares no Brasil e Estados Unidos, e depois de quase 50 entrevistas.

Atualmente estamos trabalhando em um livro para contar a história da ENGESA, seus veículos, projetos e a utilização destes.

¿Conoce Colombia?, ¿nos ha visitado?

Ainda não, mas é sei que é um bélissimo país, com uma cultura muito rica e um povo acolhedor, se parecendo muito com o Brasil, e esta nos meus projetos futuros conhece-la.

Por favor, ¿puede darnos su opinión sobre el actual proceso de paz que adelanta el Gobierno Colombiano con el grupo FARC?

Acredito que o grande entrave para o desenvolvimento da Colombia são seus conflitos internos. Um conflito que perdura por mais de 40 anos, que divide seu povo, e até famílias, com atrocidades de ambos os lados. Assim sendo, qualquer tentativa que consiga dar um basta a essa situação é válida.

Imagino que existam muitas mágoas em todos os lados, mas para que ese proceso de paz realmente funcione, deberá haver um uam tentativa mutua de perdão entre as pessoas. O problema, é que, para se manter, as FARC acabaram se envolvendo com o crime organizado e o tráfico de drogas, por isso, acredito que a parte mais complicada deva ser separar aqueles que lutavam por sua ideología dos bandidos e criminosos.

Outra coisa que me preocupa é o que será feito dos combatentes das FARC, pois se tratam, em grande parte, de pessoas sem qualificação para serem absorbidas de imediato ao mercado de trabalho colombiano, e existe sempre o temos deles serem recrutados pelos traficandes de drogas queatuam na região, voltando a integrar grupos de combate, porem sem ideología política.

¿Cómo se beneficiará la región con la paz en Colombia?

O país não precisará investir tanto na área de defesa, aproveitando para investir em infra estrutura, o qu aumentará a produtividade e competitividade dos productos colombianos. Isso com certeza, vai aumentar muito rápidamente o PIB do país.

Outra coisa é que as Forças Armadas Colombianas poderão voltar a se preocupar com as ameaças externas, que possam ameaçar a nação, investindo novamente em forças convencionais, pois atualmente boa parte dela é voltada a combater as FARCs em uma guerra irregular. 

¿Qué percepción hay en Brasil en torno al proceso de paz en Colombia?

Esperançosos, pois ese conflito acaba impactando todos os países da região.

Antes, os Governos Lula e Dilma, tinham uma “simpatía” pelas FARCs, porem o atual governo brasileiro apoia totalmente o governo colombiano em seu combate, que aliás, é a opinião geral dos brasileiros.

Nós, brasileiros, temos profunda adimiração pela coragem e determinação dos colombianos. Consideramos povos irmãos, e esperamos que a Colombia consiga acabar com o cancro que é essa disputa fatricída que maltrata tanto nossos irmãos latinos.

Um país libre, onde o povo seja respeitado e que possa crecer, é tudo que desejamos a vocês.

 

(Douglas Hernández, Medellín)